Os combustíveis alternativos à gasolina

A cada dia que passa estamos mais conscientes para cuidar do meio ambiente em qualquer das formas possíveis. Os combustíveis alternativos à gasolina são uma dessas formas. Algumas delas utilizam-se há muito tempo, mas, conhece-as todas?

Quais são os combustíveis alternativos à gasolina?

Os combustíveis alternativos à gasolina são aqueles que substituem de forma parcial ou completa os combustíveis fósseis, utilizados de forma habitual, como o petróleo, o carvão e o gás natural. 

Os combustíveis alternativos à gasolina considerados dentro deste tipo são os seguintes:

  • Eletricidade;
  • Hidrogénio;
  • Combustíveis sintéticos e parafinas;
  • O gás natural.

Vantagens e desvantagens dos combustíveis alternativos

Para podermos falar dos biocombustíveis, temos também que conhecer as vantagens e desvantagens que os mesmos têm, ainda que sejam mais beneficiários para o planeta que os combustíveis fósseis. 

Vantagens

  • As energias alternativas ajudam a que se reduza a emissão de CO2 e com isso conseguir, pouco a pouco, melhorar e feito estufa.
  • Para podermos produzir alguns dos combustíveis alternativos é necessário reciclar, por exemplo, excrementos ou ninhadas de animais.
  • Uma vez gerados a partir de fontes que são indiscutivelmente inesgotáveis, este tipo de combustível alternativo é considerado energia renovável.
  •  Devido a este tipo de combustível se gerar a partir de recursos naturais, implica que se limite muito o uso de combustíveis fósseis. Isto é bom para o futuro e para as próximas gerações que virão nos próximos anos, visto que irão ter reserva destes combustíveis fósseis.
  • Este tipo de combustível é biodegradável. No caso de algum derrame, o impacto seria muito menor, como acontece nos combustíveis fósseis. No entanto, quando se queimam estes combustíveis, produzem menos gases tóxicos.
  • Com o passar do tempo este tipo de combustível não será tão caro, uma vez que haverá mais conhecimento sobre os mesmos e sobre a tecnologia que se deve usar. Os combustíveis fósseis, no entanto, como têm uma data de expirar, porque se tornam cada vez mais escassos, irão sofrer um aumento de preço.

Desvantagens

  • É certo que estes combustíveis serão criados em prol de reduzir a todo o custo a poluição do meio ambiente, mas alguns deles a qualquer momento do processo, quer na produção, utilização ou ambos, ainda têm impacto mais negativo que positivos.
  • Alguns dos combustíveis alternativos produzem-se a partir de grãos de alimentos. Por isso, isto pode produzir ao aumento do preço dos grãos e, por consequência, que se torne mais caro para ao consumo humano e o consumo animal. 
  • A desflorestação, devido ao aumento da procura de árvores, é outra das grandes desvantagens. Isto afeta a biodiversidade e a mudança climática, principalmente para as plantas e os animais que habitam nestes ecossistemas.
  • A produção de tais combustíveis alternativos à gasolina pode levar ao esgotamento dos nutrientes do solo e, como consequência, pode ser inutilizável para o futuro.

Quais são os combustíveis alternativos?

Os combustíveis alternativos à gasolina estão muito presentes no setor automóvel e têm sido, em alguns casos, uma grande revolução e evolução. A utilização destes pode ajudar a eliminar gradualmente os combustíveis fósseis e a melhorar o ambiente. 

Nesta continuação mostramos quais são as principais alternativas à gasolina:

  • Eletricidade: A utilização desta opção significaria que não haveria nenhuma poluição. As baterias dos carros elétricos ou híbridos armazenam a energia suficiente para a condução. Em Portugal, dispomos de um amplo catálogo de pontos de recarga para os carros, onde se prevê um aumento a curto prazo. Dessa forma, aumentar progressivamente o uso fará com que se instale mais placas de energia solar e eólica que podem produzir eletricidade de uma forma mais sustentável, da qual se pode também usar nas nossas casas.
  • Gás natural: Este é um combustível fóssil considerado alternativa, afinal reduz a emissão de CO2. Existem 3 tipos:
    • GNC (Gás Natural Comprimido): é 80-90% de metano e o resto dióxido de carbono, nitrogênio, hidrocarboneto. Com ele geram-se 30% a menos de emissão CO2.
    • GNL (Gás Natural Liquefeito): é um metano processado em forma líquida sendo utilizada em automóveis.
    • GPL (Gás de Petróleo Liquefeito): é gerado por uma mescla de propano e butano. 
  • Metanol: A sua geração é muito simples, uma vez que é um simples álcool e um combustível básico. Além disso, é gerado com fontes de energia renováveis, pelo que a emissão de CO2 é quase nula.
  • Combustível da série P: São compostos por uma mistura de etanol, gás natural e metil tetrahidrofurano, um solvente derivado da biomassa. Podem ser utilizados sozinhos ou misturados com gasolina em qualquer proporção.
  • Hidrogênio: Graças à tecnologia foi possível que, a partir da molécula, se possa usar como combustível e gerar eletricidade ou calor. Ao usar a dita molécula consegue-se que não haja nenhum tipo de emissão de gás poluente. Agora, a limitação existente com esta alternativa é derivado ao alto custo de produção de veículos específicos. 
  • Biodiesel: Também apelado de FAME, é um biocombustível líquido obtido mediante processos industriais de esterificação e transesterificação de líquidos naturais, tais como óleos vegetais ou gorduras animais.

Bioetanol: Aos dias de hoje é o biocombustível mais usado no transporte e tem a melhor proteção para conseguir ser produzido de forma abundante e sustentável. É produzida através de matérias-primas, como a cana-de-açúcar, trigo, milho e resíduos com elevado teor de açúcar ou amido. Conseguem gerar até 90% menos CO2 do que o gasóleo normal.